Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O Fórum Nacional Confap 2019 foi realizado em Brasília no dia 14 de março. Abaixo, segue o reportagem produzida pelo órgão (acompanhe a original aqui):

 

Primeiro dia do Fórum do Confap em Brasília destaca ações com parceiros e homenagens

 

O Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) abriu na manhã desta quinta-feira, dia 14 de março, o primeiro dia do Fórum Nacional da entidade, que reúne as 26 Fundações de Amparo às Pesquisa (FAPs) dos estados brasileiros e do Distrito Federal, além de parceiros nacionais e internacionais. Realizada na sede do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília (DF), esta é a primeira edição do Fórum de 2019.

A solenidade de abertura, realizada no auditório do CNPq, foi presidida pela presidente do Confap, Maria Zaira Turchi, e contou com a participação do secretário de Políticas para Formação e Ações Estratégicas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTIC), Marcelo Morales, representando o ministro Marcos Pontes; do presidente do CNPq, João Luiz Filgueiras de Azevedo; do presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Anderson Ribeiro Correia; e do presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Waldemar Barroso Magno Neto.

A presidente do Confap, Maria Zaira Turchi, destacou a importância do Confap e das Fundações como entidades estratégicas e indispensáveis para o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (SNCTI). “A atuação do Confap e das FAPs é pautada no respeito às diferenças regionais e na necessidade de continuar e ampliar as parcerias com as diferentes agências e organismos. Essas parcerias promovem discussões profícuas e encaminhamentos necessários para o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação”, pontuou.

De acordo com o secretário de Políticas para Formação e Ações Estratégicas do MCTIC, Marcelo Morales, o ministro tem grande atenção ao Sistema e reconhece o papel das Fundações de Amparo à Pesquisa para o fomento à ciência, tecnologia e inovação no País. “Os recursos estaduais se somam aos recursos federais e são fundamentais na manutenção e desenvolvimento de programas importantes”, sinalizou. Ele citou como exemplo os Institutos Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação (INCTs), nos quais os recursos aportados pelas Fundações foram maiores do que aqueles disponibilizados pelo governo federal. Ele também citou as ações do Ministério que vão ser desenvolvidas e podem ser articuladas com as Fundações.

O presidente do CNPq, João Luiz Filgueiras de Azevedo, que cedeu o espaço do Conselho para a realização do evento, ao dar as boas-vindas aos participantes, ressaltou a maneira como o Confap tem sido parceiro da entidade para a realização de ações no Estados. Ele também afirmou que a participação da professora Zaira Turchi no MCTIC deverá contribuir ainda mais para o avanço das ações envolvendo os entes que compõem o SNCTI.

Tecnova 2
Ao final da cerimônia, foi realizada a assinatura dos contratos do Tecnova 2, entre a Finep e as Fundações de Amparo à Pesquisa dos Estados de Alagoas, Maranhão, Paraná, Pernambuco, Piauí e Santa Catarina. Os termos foram assinados pelo presidente da Finep, Waldemar Barroso Magno Neto, o diretor da Finep, Wanderley de Souza, e os presidentes Fábio Guedes (Fapeal); Alex Oliveira (Fapema), Ramiro Wahrhaftig (Fundação Araucária), Abraham Sicsú (Facepe), Francisco Guedes (Fapepi) e Fábio Holthausen (Fapesc).

O Tecnova tem por objetivo ampliar, por meio de subvenção econômica, as atividades de inovação e incrementar a competitividade das empresas e da economia do País. A subvenção pode ser aplicada no custeio de atividades de pesquisa, de desenvolvimento tecnológico e de inovação em empresas nacionais.

Parcerias nacionais e internacionais
Ao longo do dia, também foram debatidos assuntos pertinentes a políticas públicas de fomento à pesquisa científica, tecnológica e de inovação, envolvendo o Confap, no conjunto de suas Fundações, as agências nacionais e os organismos internacionais. Foram analisados programas e parcerias já existentes, bem como pensadas novas atividades envolvendo recursos e esforços dos organismos envolvidos.

Além do MCTIC, CNPq, Capes e Finep, também participaram das discussões a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), o Ministério da Saúde e o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Da parte internacional, estiveram presentes os parceiros da União Europeia e do Reino Unido.

O presidente da Capes, Anderson Ribeiro Correia, trouxe um panorama da Pós-Graduação no País, que registrou crescimento nos últimos anos. Ele ressaltou que a pasta deverá honrar os convênios já firmados com as FAPs e o papel das Fundações na realização de programas importantes para a ciência, tecnologia e inovação no País.

O presidente da Embrapii, Jorge Guimarães, trouxe a perspectiva da empresa e das ações no Estados, sobretudo para o avanço da inovação industrial. Ele ressaltou que já há a parceria da Embrapii com algumas FAPs e que existem negociações com outros estados em andamento.

A coordenadora nacional do Programa Pesquisa para o SUS (PPSUS), Marge Tenório, apresentou a atual situação do programa e expôs a intenção do Ministério para o lançamento de uma nova rodada do programa. Também se apresentaram a assessora do CGEE, Adriana Badaró, sobre a avaliação dos INCTs; o diretor da Finep, Wanderley de Souza, e o Chefe do Departamento de Fomento entre as Ciências Aplicadas e as Áreas de Inovação, Marcelo Camargo, sobre os programas Centelha e Tecnova 2; e o assessor executivo do MCTIC, Luiz Fauth, sobre o projeto Ciência Aberta do Ministério.

Da parte internacional, a encarregada de Negócio a.i., Delegação da União Europeia no Brasil, Claudia Gintersdorfer, ressaltou a parceria profícua na cooperação com o bloco, tanto no aspecto bilateral, quanto multilateral. Ela afirmou que a União Europeia tem o Brasil como importante parceiro e que estão dispostos a continuar fortalecendo a cooperação. Na sequência, a representante do Setor de Ciência e Tecnologia da Delegação da União Europeia no Brasil, Laura Maragna, destacou as possibilidade e atuação do programa Horizonte 2020 para os próximos meses.

Representando o Reino Unido, outro importante parceiro do Confap, a Diretora de Ciência e Inovação Fundo Newton, Cindy Parker, falou sobre as estratégias de investimento do Fundo no Brasil e do Ano Brasil-Reino Unido de Ciência e Inovação, que tem realizado uma série de eventos para promover as parcerias desenvolvidas, incluindo aquelas com o Confap. Também se apresentaram Diego Arruda (Fundo Newton), Diana Daste e Vera Oliveira (Conselho Britânico).

Ao final da programação do dia, os participantes do Fórum foram convidados para a Embaixada Britânica, onde foram recebidos pelo embaixador Vijay Rangarajan. O jantar foi oferecido dentro da programação do Ano Brasil-Reino Unido de Ciência e Inovação. Na oportunidade, o Confap realizou a entrega da primeira edição do Troféu Confap Reconhecimento em Prol da Ciência, no qual foram homenageados o ex-presidente do Confap e do CNPq, professor Mario Neto Borges, por sua atuação para o avanço da ciência, tecnologia e inovação; e a Embaixada Britânica, pela parceria desenvolvida pelo Confap e as Fundações, desde 2014, além das comemorações do Ano Brasil e Reino Unido.

O Fórum continua nesta sexta-feira, com a eleição da nova gestão e encaminhamentos internos.

Coordenação de Comunicação Social do Confap